Páginas

quinta-feira, 3 de março de 2011

Luto - Como ajudar a criança a lidar com a morte.

Há sempre muito receio em abordar a finitude da vida com as crianças.

Li o artigo abaixo e achei muito elucidativo, por isso estou compartilhando.

"Contando para a criança:

Quando uma morte ocorre, alguém com quem a criança tenha uma história de confiança e envolvimento deve contar para ela. Isso a assegura de que ela não está sozinha e de que há outras pessoas para lhe prover proteção e cuidado. Esta informação deve ser dada imediatamente para a criança, em linguagem simples e direta. Você diz: “ O vovô, papai, mamãe, João morreu”. Pode ser difícil de dizer, especialmente sem lágrimas. Não há problema que a criança experiencie seu luto juntamente com seu próprio luto. Você a está ensinando a lidar naturalmente com seus sentimentos quando você não esconde os seus. Quando você pode dizer “Estou muito triste porque o papai morreu”, “Estou bravo porque mamãe não está mais aqui para cuidar de nós”, você está ensinando um recurso para a criança que irá perdurar para sempre.

Após contar que um ente querido morreu, você precisa explicar o que acontecerá depois, o velório e o funeral. A criança terá muitas dúvidas. O que ela irá querer saber dependerá de sua idade e experiência prévia com a morte. Geralmente crianças pré-escolares não entendem que a morte é final; podem perguntar ”Quando vovó vai voltar?”. Entre cinco e dez anos crianças começam a entender que a morte é irreversível, mas acreditam que somente pessoas velhas e vítimas de acidentes morrem. se uma pessoa relativamente jovem morre, irá entender o porquê. Após os 10 anos a criança começa a entender que a morte é parte da ordem natural das coisas e que as pessoas morrem em todas as idades, por diversas razões.

É importante responder as questões o mais simples e honestamente possível. Evite utilizar metáforas. Se você diz para uma criança pequena “O vovô está dormindo para sempre”, por exemplo, ela pode ficar com medo de dormir.

Crianças comumente concluem que de alguma forma causaram a morte. Podem pensar “Eu fui mau, então minha mãe me abandonou”, ou “Eu desejei que minha irmã morresse e isso aconteceu”. Diga para a que ela não tem culpa pelo que aconteceu.

Reações da criança à perda:

A criança pode negar inicialmente que a morte ocorreu. Pode tornar-se agressiva e culpar os demais pela morte, ou ter raiva da pessoa que morreu, por deixá-la. Pode sentir-se culpada por não ter sido “boa” para a pessoa que morreu e ficar deprimida. Ainda que a criança possa aparentemente não estar sofrendo, expressa sua dor de modos mais sutis, como regredir e começar a chupar o dedo, molhar a cama e agir como bebê. pode ficar hostil com os colegas ou tratar seus brinquedos com violência. Pode desejar ou temer morrer.

Ajudando a criança a lidar com a perda:

Como os adultos, a criança precisa enlutar-se para aceitar que a perda ocorreu e continuar com sua vida. Seu filho irá tomar o seu exemplo, por isso não tenha medo de expressar seu próprio luto . Chore e deixe que seu filho chore com você. Não diga a seu filho que “seja forte, não chore”. Esta é uma situação triste, e a criança precisa expressar sua tristeza.

Converse com seu filho e o encoraje a falar também. Mostre que é permitido falar sobre a pessoa que morreu. Mesmo que a criança seja muito pequena para falar sobre a morte, você pode compartilhar seus sentimentos. O carinho irá confortar a criança que sente a angústia na família, mesmo que ela não entenda o que aconteceu. Criança cercada pela tristeza precisa ser reassegurada de que é amada.

É uma boa idéia levar a criança ao funeral, mas não a force a ir. Crianças como os adultos precisam dividir sua dor. O funeral permite que as pessoas se juntem e expressem seus sentimentos. A criança deve receber uma explicação detalhada do funeral antes de decidir se quer ir.

Lembre que a relação da criança com o falecido não acabou, somente mudou. Após o funeral mantenha fotos e outras lembranças do falecido para conversar sobre elas com a criança. Isto irá ajudar a formar um novo tipo de vínculo da criança com a pessoa que morreu."

Fonte:
Quatro Estações - Instituto de Psicologia


KARINA ALECRIM BESSA

6 comentários:

Aninhahh.' disse...

OI...Tbm sou estudante de Psi...E amu demais o curso...

Lendo esse post, me recordei da MINHA experência com a morte...eu tiha por volta de uns seis anos, e a pessoa naum era nenhum parente próximo, era noivo da minha meia irmã,eu tive uma reação parecida com o que é contando aí...

Seu post me deu a idéia de contar como foi...Passa láh pra ver...Vou usar seu post como referência...

Beijos Dobrados !!!

Karina Bessa disse...

Olá Aninha!

Obrigada pela visita! Vou conhecer seu blog agora.

Bjs,

Karina.

Délia Cabral disse...

oi karina seu blog esta cada dia melhor... lendo este artigo nao pude deixar de lembrar quando minha mae faleceu e minha irma estava com 8 aninhos foi bem dificil mais acho que acertamos na maneira que lidamos com a situaçao!
hj lembramos com mta saudades mais sem traumas so saudade....
bjus e parabens

Karina Bessa disse...

Oi Délia! Fico feliz quando vejo vc por aqui!

Que bom que vcs conseguiram se organizar no sentido de construir uma lembrança saudável da sua mãe. Viver o luto e em seguida construir essa relação de saudade sem revolta é o segredo.
Bjs,
Karina.

Viviane Moraes disse...

OI Ká,
Tem um Selinho de presente para vc lá no blog.
Dê uma passadinha por lá, abaixo do lado direito clique na imagem da Bete.
Bjs

paty disse...

Excelente post .... pensei na filhinha de um amigo, ela tem 9 anos e recentemene perdeu a mae.... ela criou uma depedencia muito grande do pai , nao aceita nenhuma mulher perto do pai .... eu amiga deles, gostaria de poder ajuda-la, mas nao sei como , até pq ela nao quer mais falar comigo tb....